Uma cidade, um homem e uma igreja

Esta é a história contada em A Catedral do Mar, de Ildefonso Falcones. Podia ser um romance histórico: Conta o reinado de Pedro III da catalunha. Ou as relações entre nobres, comerciantes e camponeses catalões no século XIV. E ainda a peste, e o despovoamento. As guerras, lutas e intrigas políticas. As relações entre cristãos, judeus e inquisição. Ou entre o papa e o rei. Ou entre a Catalunha velha e a nova. Entre bastaixos, barqueiros e marinheiros. Entre mulheres nobres, camponesas, prostitutas e suas roupas coloridas.

Mas não é!

É a história de um homem que nasceu, cresceu e viveu por uma cidade e por sua igreja: Santa Maria do Mar. Um homem do povo que amava o povo e se dedicava a ele. Um homem bom. E sua dedicação a Santa Maria do Mar: a mãe que nunca teve.

É Arnau Estanyol, filho de um camponês fugido que encontra a liberdade em Barcelona. Sua lembrança de um pai orgulhoso dizendo: "Agora somos livres!", o faz resistir aos desmandos da nobreza e dos ricos, se tornar um bastaix, orgulhoso de seu trabalho duro. Resistir à peste que lhe tira entes queridos. Resistir à ruína e à inquisição.

É um livro que prende a gente do início ao fim! Não passa um capítulo sem o suspense e a surpresa do que virá a seguir. Cada capítulo é inebriante, denso e encantador! Não é um romance histórico, é a história de um homem que deu tudo por sua cidade, sua igreja e sua santa. E quando menos esperava, foi salvo por todos aqueles a quem ele se dedicou ou amou.

É um livro que deixa a gente triste quando vê que está acabando. Eu queria mais! Quero mais! Por favor Arnau, não me deixe sem histórias!

Ingênuas, ridículas ou até "pesadas", mas definitivametne hilárias...

são as fotos disponibilizadas por mmk_kobayashi em seu "stream" no flicker.

Essa aí do lado, por exemplo, é uma das leves. São fotos de gafes, acrobacias, cenas "engraçadinhas" de crianças ou animais (como essa daí do lado), cenas pesadas que beiram ao erotismo, fotos chocantes e irreverentes. Tudo misturado nesse incrível foto "stream".

Ainda não vi tudo, mas já estou "me mijando de rir", como diria a Julia Roberts...

link (via Boingboing).

PETA: direitos dos animais combina com eutanásia?

Essa reportagem da Newsweek mostra uma relação um tanto quanto polêmica: PETA e eutanásia. Desde 1998 a PETA "eutanasia"[foot]pros menos politicamente corretos, sacrifica mesmo![/foot] cerca de 85% dos animais que são "resgatados" por eles. Um mal necessário, segundo eles, que já matou 17 mil animais, na maioria (cerca de 80% pra dizer a verdade) totalmente sãos.

Mas essa opinião defendida a duras penas pela PETA não parece ser unanimidade na comunidade de direitos dos animais. Várias outras organizações tem trabalhado para atingir altas taxas de "re-adoção" dos animais, e alguns trabalham com metas de "no-kill" para os anos vindouros. A PETA, claro, nega a viabilidade da estratégia: As instituições simplesmente rejeitam animais sem chances de re-adoção para manter suas metas de "no-kill".

Enquanto isso os críticos rebatem: "With the resources at their disposal, PETA and the Humane Society of the U.S. could become no-kill in no time. Instead they have become leading killers of cats and dogs(...)"

link (by Newsweek)

Como colocar padres no google maps...

Uns post atrás eu postei o fruto de minha atoíce, onde usei uma figura do padre voador com o google maps pra fazer uma espécie de "joguinho"[foot]não é bem um "joguinho" já que não tem nenhum objetivo, é apenas uma brincadeira, digamos assim...[/foot]. Hoje, por falta do que postar, resolvi colocar um pequeno tutorial de...

Como colocar padres no google maps...

Continue reading "Como colocar padres no google maps..."

Mais gaiman, mais Copyright, mais JKRowling...

O Neil Gaiman escreveu mais um pouco sobre o assunto, segundo ele: a few final copyright thoughts before we leave the subject entirely[foot]tradução livre "alguns últimos pensamentos sobre copyright antes de abandonar de vez o assunto"[/foot]. Foi uma resposta a um leitor que questionou as semelhanças entre o caso dele contra McFarlane e do caso da JKRowling, e de como no final as disputas judiciais não se referem aquilo que você inicialmente pensa.

Em um resumo rápido, ele pensava que a disputa dele com McFarlane era sobre "direitos de criação, e fazer Todd [McFarlane] cumprir suas promessas", enquanto no final o caso provou ser sobre simplesmente "quando começa a contar o tempo num caso de copyright". E similarmente, o caso da JKRowling não é sobre ela poder publicar seu próprio dicionário do mundo de H.P., sobre alguém faturar com as obras alheias ou sobre impedir fãs de publicarem obras sobre seus ídolos, mas simplesmente sobre clarificar as "gray areas" da lei de copyright sobre o que pode ser considerado um trabalho original e o que não pode, e quanto trabalho precisa ser feito para que seja "original":

The King James Bible is in the public domain. If you made a lexicon or concordance of the King James Bible, listing every person and place mentioned in there, something that would take you a lot of time -- you could copyright it. If someone copied it -- simply took your King James Bible Lexicon book and put their name on it -- could you sue them? Should you?

link (thanks ricbit)

Provedores brasileiros interferem nos downloads!

Freio de mão, thanks wikimedia commonsSe você é um usuário de torrents, gosta de baixar filmes ou músicas, baixa seu sistema operacional preferido através de torrents para evitar congestionar os servidores, saiba:

Seu provedor seguramente faz traffic shaping, limitando a sua velocidade de downloads.

A conclusão é de um levantamento pela Vuze, examinando o tráfego de usuários voluntários que instalaram seus plugins. A Campeã brasileira de limitação de banda é a Brasil Telecom, seguida da Oi, NET e Telefônica. Mas isso não quer dizer que seu provedor está fora da lista dos "malvados" que "roubam" seus downloads. É melhor ficar vigilante. A polêmica nos EUA já fez o mais malvado de todos começar a "se desculpar" dessas práticas tentando trabalhar em conjunto com as redes de P2P, mas e no Bananão? Vamos ficar a mercê dos provedores?

link para a notícia (by idgnow)

Neil gaiman e "fair use" e Shannon/Minsky "Ultimate Machine"

Acordei hoje com duas notícias legais no boingboing:

A primeira, é um link pro blog do Neil Gaiman, com um texto sobre JKRowling, Tim Hunter, plágio e "fair use". Com a polêmica em torno do processo da JKRowling contra um fã que lançou um "dicionário" do mundo de Harry Potter, voltam a tona as histórias que acusam o mago juvenil de ser chupado dos Livros da Magia. Gaiman se defende das acusações por ela, e ainda de outras como subornos para não acusá-la de plágio:

(...) [N]o, I certainly *didn't* believe that Rowling had ripped off Books of Magic, that I doubted she'd read it and that it wouldn't matter if she had: I wasn't the first writer to create a young magician with potential, nor was Rowling the first to send one to school. It's not the ideas, it's what you do with them that matters.

Genre fiction, as Terry Pratchett has pointed out, is a stew. You take stuff out of the pot, you put stuff back. The stew bubbles on.

link (via boingboing)

A outra notícia é de um atoa sujeito habilidoso que construiu uma "ultimate machine", descrita por Claude Shannon e Marvin Minsky em um artigo bem humorado: Basicamente uma caixa com um interruptor que quando ligado faz abrir a caixa de onde sai uma mão que desliga o interruptor. Nada mais inútil ;). Pois esse sujeito não sossegou enquanto não construiu a sua própria "ultimate machine". Tudo registrado em vídeo, claro:

link (by boingboing)

A culpa é dos comunistas?

A Newsweek tem uma entrevista interessante com a economista italiano Loretta Napoleoni que fala sobre seu livro Rogue Economics. Segundo ela, a globalização e conseqüente quebra do bloco soviético criaram uma série de fenômenos econômicos que saem das regulações existentes, seja de forma totalmente ilegal, como mercados negros e falsificações, seja em "áreas cinzas", áreas sem regulamentação apropriada por falta de visão política das mudanças econômicas, como os investimentos a descoberto dos bancos americanos e ingleses (que geraram a crise atual no mercado americano). A adaptação necessária, segundo ela, é obvia: adaptar as regulamentações existentes para o novo mundo globalizado e combater os mercados negros internacionais.

É uma visão bastante conservadora que ele expõe na entrevista, com duras críticas à globalização. Será que a solução vem mesmo por aí ou isso é apenas mais uma força tentando se agarrar ao status quo? Abaixo, uma amostra da entrevista:

You're critical of globalization. Why?
Globalization has helped rogue economics spread. In the 1970s, you knew where products came from; it was a smaller world. For example, now when you order fish in a restaurant, you don't know where it came from. Seventy percent of the fish we eat is black market, fished in violation of international laws. Our ignorance makes us unwilling partners in crime. Rogue economics is turning the global market into our worst nightmare.

link (by newsweek).