Livros da semana

Bom terminei 3 livros essa semana, um eBook e 2 de quadrinhos.

Dead Until Dark

O primeiro livro da série Southern Vampire Mysteries da Charlaine Harris, que deu origem a série de TV True Blood. No começo era uma forma de experimentar ler eBooks no celular (android, rodando o software do kindle). Mas o livro é fácil e empolgante. A narrativa em primeira pessoa dá uma visão mais "pessoal" da história do que o seriado. É mais previsível que na TV, mas tem uma riqueza de detalhes que só um bom livro pode dar. Recomendo muito pra quem gosta de vampiros ou da própria série True Blood. A linguagem é típica de best-seller, e a leitura flui bastante. Bom pra uma tarde de diversão.

MSP: Maurício de Souza por 50 artistas

Ganhei este livro da minha irmã. São histórias curtas ou as vezes apenas um simples charge, escritas por diversos autores em homenagem aos 50 anos de carreira do Maurício de Souza. Confesso que não sou muito fã dele mesmo não, mas sei o que ele representa pro quadrinho nacional. As histórias giram muito em torno dos mesmos tempos, muitas falando diretamente do aniversário de carreira do Maurício. O astronauta também apareceu super-representado, não sei se pela característica futurista do personagem ele pareceu mais fácil de trabalhar pros autores de Sci-Fi, ou se foi pela flexibilidade do personagem... Enfim, exageraram 😀 A maioria é mesmo bobinha, mas algumas são fenomenais. Logo de cara o Laerte abre com a mesma genialidade de sempre! O fechamento, pelo Vitor Cafaggi, também não fica por menos. Lá dentro, as charges simples do Angeli, do Gustavo Duarte e Dalcio machado dão um show a parte. Enfim, vale muito a pena, com algumas estórias fenomenais, apesar de várias meio chochas no meio!

O chinês americano

Esse também foi presente, dessa vez da Lígia e do Pedro, meus vizinhos e companheiros de cachorro. A Lígia teve de ler pro mestrado uma pancada de quadrinhos auto-biográficos, e esse foi um dos poucos que ela deixou de fora. Se arrependeu depois! Eu me arrependeria também de não lê-lo. Pra mim foi o grande motivo desse post: é simplesmente fantástico. O Gene Luen Yang tem arte é simples, num estilo que junta Genndy Tartakovsky e Laerte com um quê de realismo e que dá vontade de ler mais a cada quadrinho. O roteiro mistura a velha lenda chinesa do Rei Macaco com a adolescência conturbada de um filho de imigrantes, sobrevivendo em um mundo que faz questão de rejeitá-lo! Tudo isso com uma cadência e fluidez que prendem o leitor. Difícil é não ler de uma sentada só. Sem a menor dúvida é a melhor história em quadrinhos que já li esse ano.

Quadrinhos da semana

Compre no Submarino

Compre no Submarino

Sangre de Barrio

[DUCARALHO]

Sangre de Barrio (Vida Louca, em pt_BR), do Jaime Martín.  Eu já tinha visto a primeiro capítulo em algum lugar, não sei se numa Animal antiga, numa edição do El Víbora que tenha passado pelas minhas mãos ou se já tinha comprado nos idos de antigamente, mas como folheei e vi que a história continuava muito além do que eu conhecia, resolvi comprar.

Pra quem foi punk de perfumaria, que nem eu, é ver o outro lado dos anos 80, numa barcelona onde o punk fazia sentido. Onde garotos de periferia viram marginais pra fugir da vida medíocre que sempre vão ter, do pai alcoólatra que abandona a família, vivendo em cortiços junto com traficantes e prostitutas. O traço é simples, em preto e branco, tipicamente underground, e vem acompanhado de uma excelente trilha sonora (com as letras das música acompanhando cada quadrinho em que Vicen liga o rádio ou usa seu walman). Composta principalmente do Punk e do underground espanhol (e barcelonense), as musicas encaixam e acompanham perfeitamente os quadrinhos e a narrativa. Dá uma vontade de procurar e reler ouvindo a as músicas da trilha (não sei se ia dar certo, já que é tudo em espanhol e eu não ia entender nem metade, mas que dá vontade, dá).

Tudo isso mostra a trajetória de Vicen antes, durante e depois do reformatório[foot]Na verdade a história pós reformatório é de outro Graphic Novel, Sangre de Barrio III: Nunca Nada, mas nessa edição da Conrad foi incluído junto.[/foot]. A insatisfação com a vida medíocre, a exploração e subserviência, que ele compartilha com Cepá, o líder da gangue, marcam toda sua trajetória, pessimista e trágica, até o final do livro. Pra quem não conhece, vale a pena conhecer. MUITO.

Compre no Submarino

Compre no Submarino

Palestina: Na faixa de Gaza

[MUITO BOM]

Palestina: Na faixa de Gaza é o segundo livro da séria Palestina, do Joe Sacco. O Joe Sacco é um reporter de guerra no estilo antigo: Entra nas zonas ocupadas em busca da história. Num estilo moderno também, já que procura sempre a versão do mais fraco, do ocupado, do perdedor. Além disso já ser uma raridade, ele não coloca isso em livros, quer dizer, em livros sim, mas não em palavras. Joe Sacco é "quadrinista de guerra"[foot]eu que inventei esse termo, lembrem-se disso quando todo mundo estiver usando.[/foot].

Eu já tinha lido dele trechos do Sarajevo. O cara é bom. O desenho é mais caricato, mais arredondado que o underground do Jaime Martín, e o próprio Joe Sacco na história é uma caricatura de si mesmo. Baixo, narigudo com cara de tonto e oclinhos redondos, cagão até a alma[foot]ou não, já que eu não teria coragem de fazer nem metade do que ele faz. Ele tem colhões só de poder amarelar enquanto escuta um tiroteio em um campo de refugiados.[/foot], meio mala também. É esse cara que entrevista dezenas de refugiados, tentando perceber como vivem, e o que sentem. Os desenhos são chocantes, mesmo suavizados pelo traço típico de de cartunista americano, mais pelo que representam do que pelo que realmente são. O cara é FODA.

Então se eu puxo tanto o saco dele, porque o Sangre de Barrio é [DUCARALHO] e este é só [MUITO BOM]? Bem, por mais que ele dinamize as coisas, tem toda a lentidão da narrativa, são entrevistas repetitivas com gente muito igual no seu sofrimento, sua raiva, sua frustração. Tem a coisa do traço pouco chocante, da personalidade meio "pastel" dele. Não, nem é nada disso. Sangre de Barrio é [DUCARALHO] porque mexe comigo, mexe com uma pessoa que eu já fui, que eu já quis ser. Mexe com o que eu já vivi, com o que eu já senti, com o que eu já vi. Porra, eu morei numa cidade de operários imigrantes na europa, eu sei o que é ser um moleque numa escola pública que não te leva a lugar nenhum. Eu sei o que é ter o relógio roubado só pra pegar ele de volta na segunda feira com um colega de classe e a desculpa de que "meu irmão não sabia que era seu, e pediu pra devolver". Eu sinto cheiro, sinto vida, sinto Sangre de Barrio correndo dentro de mim de novo. Palestina é [MUITO BOM], mas é só coisas que eu vejo de longe, no jornal...

Manga ou mangá?

Turma da Monica Jovem (Capa edição 1 - ago 2008)

Turma da Monica Jovem (Capa edição 1 - ago 2008)[foot]Foto protegida por direitos autorais, usada sob proteção da lei 9610/1998, art. 46, pp. III e VIII. Não usar fora do contexto deste blog.[/foot]

Caiu na minha mão por acaso e curiosidade[foot]Ok, confesso que comprei, tinha um último na banca e fiquei curioso...[/foot] um exemplar do tão hypeado mangá da Turma da Mônica Jovem. como minha curiosidade me matava, li e resolvi comentar. Não que seja ruim, longe disso. O Maurício de Souza com sua mão de ferro controla muito bem a qualidade do que sai do seu estúdio. Mas decepciona, porque não atende ao hype! Ou pior: de mangá só tem o nome!

Exagero meu. Alguns dos personagens ainda obedecem a estética do mangá, mesmo que de leve. E a cena clássica do garoto tímido sendo espremido nos mamás[foot]©Muriloq[/foot] da menina estava por lá. Os desenhos caricatos estilo boneca de pano e o uso de tracejados nas bochechas pra dar expressão aos personagens também. Mas pra mim isso não basta! Quatro andorinhas só não fazem mangá!

Faltou ambientação, faltou cenário e faltou um roteiro de mangá. Personagens secundários com arte tradicionalmente "Maurício de Souza", cenários simplistas, excesso de diálogos e um roteiro tipicamente turma da Mônica permeiam toda a revistinha[foot]Nesse ponto eu já desisti de chamar de mangá, e gibi é coisa de paulista[/foot].

Bécassine, uma das precursoras das HQs modernas, era uma historinha narrada abaixo de desenhos ilustrativos.

Bécassine, uma das precursoras das HQs modernas, era uma historinha narrada abaixo de desenhos ilustrativos.

Quando eu leio um mangá "de verdade" eu chego no final com um gostinho de quero mais, se não por nada, porque passou rápido: mangá abusa de informação visual, restringindo a informação verbal ao mínimo necessário. A "arte" é o desenho, e não o texto. Já a Turma da Mônica tradicional, no melhor estilo Bécassine, abusa inclusive do recurso do narrador. Gaças a Deus não tinha narrador nessa historinha, mas ainda assim, a história era escrita, com desenhinhos pra ilustrar, e não o contrário.

Faltou dinamismo nos desenhos (claro, só os 4 personagens principais são mangás), faltaram aquelas longas cenas de movimento, onde o fundo congela e o sangue do leitor também.

Como eu disse, não ficou ruim. O Maurício de Souza não ia deixar. Mas não é mangá. É tão e simplesmente Turma da Mônica!