Livros da semana

Bom terminei 3 livros essa semana, um eBook e 2 de quadrinhos.

Dead Until Dark

O primeiro livro da série Southern Vampire Mysteries da Charlaine Harris, que deu origem a série de TV True Blood. No começo era uma forma de experimentar ler eBooks no celular (android, rodando o software do kindle). Mas o livro é fácil e empolgante. A narrativa em primeira pessoa dá uma visão mais "pessoal" da história do que o seriado. É mais previsível que na TV, mas tem uma riqueza de detalhes que só um bom livro pode dar. Recomendo muito pra quem gosta de vampiros ou da própria série True Blood. A linguagem é típica de best-seller, e a leitura flui bastante. Bom pra uma tarde de diversão.

MSP: Maurício de Souza por 50 artistas

Ganhei este livro da minha irmã. São histórias curtas ou as vezes apenas um simples charge, escritas por diversos autores em homenagem aos 50 anos de carreira do Maurício de Souza. Confesso que não sou muito fã dele mesmo não, mas sei o que ele representa pro quadrinho nacional. As histórias giram muito em torno dos mesmos tempos, muitas falando diretamente do aniversário de carreira do Maurício. O astronauta também apareceu super-representado, não sei se pela característica futurista do personagem ele pareceu mais fácil de trabalhar pros autores de Sci-Fi, ou se foi pela flexibilidade do personagem... Enfim, exageraram 😀 A maioria é mesmo bobinha, mas algumas são fenomenais. Logo de cara o Laerte abre com a mesma genialidade de sempre! O fechamento, pelo Vitor Cafaggi, também não fica por menos. Lá dentro, as charges simples do Angeli, do Gustavo Duarte e Dalcio machado dão um show a parte. Enfim, vale muito a pena, com algumas estórias fenomenais, apesar de várias meio chochas no meio!

O chinês americano

Esse também foi presente, dessa vez da Lígia e do Pedro, meus vizinhos e companheiros de cachorro. A Lígia teve de ler pro mestrado uma pancada de quadrinhos auto-biográficos, e esse foi um dos poucos que ela deixou de fora. Se arrependeu depois! Eu me arrependeria também de não lê-lo. Pra mim foi o grande motivo desse post: é simplesmente fantástico. O Gene Luen Yang tem arte é simples, num estilo que junta Genndy Tartakovsky e Laerte com um quê de realismo e que dá vontade de ler mais a cada quadrinho. O roteiro mistura a velha lenda chinesa do Rei Macaco com a adolescência conturbada de um filho de imigrantes, sobrevivendo em um mundo que faz questão de rejeitá-lo! Tudo isso com uma cadência e fluidez que prendem o leitor. Difícil é não ler de uma sentada só. Sem a menor dúvida é a melhor história em quadrinhos que já li esse ano.

Quadrinhos da semana

Compre no Submarino

Compre no Submarino

Sangre de Barrio

[DUCARALHO]

Sangre de Barrio (Vida Louca, em pt_BR), do Jaime Martín.  Eu já tinha visto a primeiro capítulo em algum lugar, não sei se numa Animal antiga, numa edição do El Víbora que tenha passado pelas minhas mãos ou se já tinha comprado nos idos de antigamente, mas como folheei e vi que a história continuava muito além do que eu conhecia, resolvi comprar.

Pra quem foi punk de perfumaria, que nem eu, é ver o outro lado dos anos 80, numa barcelona onde o punk fazia sentido. Onde garotos de periferia viram marginais pra fugir da vida medíocre que sempre vão ter, do pai alcoólatra que abandona a família, vivendo em cortiços junto com traficantes e prostitutas. O traço é simples, em preto e branco, tipicamente underground, e vem acompanhado de uma excelente trilha sonora (com as letras das música acompanhando cada quadrinho em que Vicen liga o rádio ou usa seu walman). Composta principalmente do Punk e do underground espanhol (e barcelonense), as musicas encaixam e acompanham perfeitamente os quadrinhos e a narrativa. Dá uma vontade de procurar e reler ouvindo a as músicas da trilha (não sei se ia dar certo, já que é tudo em espanhol e eu não ia entender nem metade, mas que dá vontade, dá).

Tudo isso mostra a trajetória de Vicen antes, durante e depois do reformatório[foot]Na verdade a história pós reformatório é de outro Graphic Novel, Sangre de Barrio III: Nunca Nada, mas nessa edição da Conrad foi incluído junto.[/foot]. A insatisfação com a vida medíocre, a exploração e subserviência, que ele compartilha com Cepá, o líder da gangue, marcam toda sua trajetória, pessimista e trágica, até o final do livro. Pra quem não conhece, vale a pena conhecer. MUITO.

Compre no Submarino

Compre no Submarino

Palestina: Na faixa de Gaza

[MUITO BOM]

Palestina: Na faixa de Gaza é o segundo livro da séria Palestina, do Joe Sacco. O Joe Sacco é um reporter de guerra no estilo antigo: Entra nas zonas ocupadas em busca da história. Num estilo moderno também, já que procura sempre a versão do mais fraco, do ocupado, do perdedor. Além disso já ser uma raridade, ele não coloca isso em livros, quer dizer, em livros sim, mas não em palavras. Joe Sacco é "quadrinista de guerra"[foot]eu que inventei esse termo, lembrem-se disso quando todo mundo estiver usando.[/foot].

Eu já tinha lido dele trechos do Sarajevo. O cara é bom. O desenho é mais caricato, mais arredondado que o underground do Jaime Martín, e o próprio Joe Sacco na história é uma caricatura de si mesmo. Baixo, narigudo com cara de tonto e oclinhos redondos, cagão até a alma[foot]ou não, já que eu não teria coragem de fazer nem metade do que ele faz. Ele tem colhões só de poder amarelar enquanto escuta um tiroteio em um campo de refugiados.[/foot], meio mala também. É esse cara que entrevista dezenas de refugiados, tentando perceber como vivem, e o que sentem. Os desenhos são chocantes, mesmo suavizados pelo traço típico de de cartunista americano, mais pelo que representam do que pelo que realmente são. O cara é FODA.

Então se eu puxo tanto o saco dele, porque o Sangre de Barrio é [DUCARALHO] e este é só [MUITO BOM]? Bem, por mais que ele dinamize as coisas, tem toda a lentidão da narrativa, são entrevistas repetitivas com gente muito igual no seu sofrimento, sua raiva, sua frustração. Tem a coisa do traço pouco chocante, da personalidade meio "pastel" dele. Não, nem é nada disso. Sangre de Barrio é [DUCARALHO] porque mexe comigo, mexe com uma pessoa que eu já fui, que eu já quis ser. Mexe com o que eu já vivi, com o que eu já senti, com o que eu já vi. Porra, eu morei numa cidade de operários imigrantes na europa, eu sei o que é ser um moleque numa escola pública que não te leva a lugar nenhum. Eu sei o que é ter o relógio roubado só pra pegar ele de volta na segunda feira com um colega de classe e a desculpa de que "meu irmão não sabia que era seu, e pediu pra devolver". Eu sinto cheiro, sinto vida, sinto Sangre de Barrio correndo dentro de mim de novo. Palestina é [MUITO BOM], mas é só coisas que eu vejo de longe, no jornal...

twilight, ubuntu-eee e clotilde!

Primeiro, graças a Lila, que alguns aqui conhecem, consegui o "O destino se chama Clotilde". Chegou ontem, e eu já comecei a ler. Eu lembrava de muita coisa, mas o que mata são realmente os detalhes: hilários, sempre! Valeu mesmo a pena "caçar" de novo o livro depois de tantos anos. Se tiver paciência, posto uma resenha depois de (re)ler.

Segundo, comprei um cartão SDHC de 8Gb pra instalar outros SO's no meu eee pc. Tentei agora o ubuntu-eee. Legal, mas dois detalhes fodem com tudo: Ele exige muito mais processamento do eee (o micro fica quente enquanto eu uso, o que nao acontece no xandros) e o tempo de boot é ABSURDAMENTE maior. Pelas minhas contas, 6 vezes maior já que de 20 segundos pula pra 2 minutos. Vou experimentar apenas "hibernar" pra ver como fica.

Alguém tem outra dica de SO pra rodar no bichinho? (Sempre no cartão de memória, porque não vou matar o xandros nativo dele enquanto não tiver algo que boote em menos de 30 segundos). Será que rola recompilar o kernel "no braço" tirando tudo que eu não for usar? Outra coisa que me incomoda é o pulseaudio! Rola desabilitar/desinstalar?

Zé Topete e Dentucinha

Zé Topete e Dentucinha

E por ultimo, vi o filme mais emo da historia da humanidade: Twilight! Minha esposa[foot]Desculpa de peidorrero! CLARO que eu que queria ver, afinal o Edward é lindooooooooooooooooooooooo[/foot] leu os livros e resolveu ver o filme. Enrolamos ainda um pouco, e hoje estávamos sem o que fazer, resolvemos ver. Segundo a Anita, o Edward é bonito, mas o filme é um lixo! É arrastado, lento, com péssimas atuações e um elenco EMO, um roteiro EMO e uma filmagem EMO que parece que mesmo quando o casal tá no mór love, tá todo mundo triste, prestes a chorar. A ÚNICA cena onde o povo abre um sorriso é quando o Edward apresenta a dentucinha pra família dele (Confesso que a dentucinha também valeria a pena ver num filme de vampiros "de verdade" onde rolasse um pouco mais de putaria, apesar de ter pouca carne!). Enfim, entendi porque a miguxada adorou o filme: é emo até a alma, e emo tá na moda. O vampiro é bonitão e tem cabelinho com um topete meio emo, meio da moda. E a censura é livre, afinal ninguém come ninguém. Aconselho quem for pedófilo a levar sua namorada de 14 anos, ela deve adorar!

Pensando bem, acho que o ambiente "emo" tem mais a ver com os atores serem todos totalmente inexpressivos do que com a intenção de ser emo. É que o filme é tão ruim, que sem querer fizeram algo que agradasse o público aborrecente e irritasse o resto do mundo. E a coitada da dentucinha desperdiçou a carreira dela com esse filme. Se não filmarem as continuações, ela nunca mais vai conseguir um papel decente (e ela era a melhor atriz do filme todo, tirando talvez o índio de cadeiras de rodas que aparece em duas cenas).

Requiescat in pace, Gus

 

Gus, o cão mais lindo do mundo.

Gus, o cão mais lindo do mundo.

Gus, o lindo cãozinho da foto acima, campeão de seguidos concursos de beleza, não resistiu a um cancer e veio a falecer neste domingo (dia 9/11/2008). Descanse em Paz, Gus, você que trouxe um pouco mais de alegria ao mundo!

 

(fonte: Folha de São Paulo, imagem BBC)

Tudum-pá!

Ajudem a espalhar o meme:

http://tudumpa.com/

Back from outer space...

No início eu tive medo, fiquei petrificado. Achava que eu nunca viveria sem você do meu lado. Mas foram tantas noites em claro lembrando quanto mal você me fez que eu ganhei forças, aprendi a me virar. Então você me aparece, saido do espaço sideral. E eu dou de frente com você com esse seu jeito de mau. Eu devia ter trocado a porra da fechadura! Eu teria tomado suas chaves se eu soubesse por um segundo sequer que você voltaria pra me incomodar!

Então vai embora, saia daqui, dê meia volta porque você não é mais bem-vindo. Não foi você que tentou me derrubar com um adeus? E achou que eu desabaria? Achou que eu definharia e morreria?

Mas não, eu não. Eu vou viver! Enquanto eu souber amar eu sei que eu estou vivo. Eu tenho toda uma vida pela frente, tenho muito amor pra dar, eu vou viver! Eu vou viver!

Precisei de todas as minhas forças só pra não desabar, e eu ainda estou tentando colar os pedaços daquele coração quebrado. E eu gastei tantas noites sentido pena de mim mesmo, e eu chorei, mas mantive a cabeça erguida. Aí você me vê com outra pessoa, e eu já não sou mais aquela coisinha ingênua apaixonada por você. Então você resolve aparecer na esperança de eu estar livre? Só que agora eu guardo meu amor pra alguém que vá me amar.

Então vai embora, saia daqui, dê meia volta porque você não é mais bem-vindo. Não foi você que tentou me derrubar com um adeus? E achou que eu desabaria? Achou que eu definharia e morreria?

I will survive!

A tradução ficou péssima, mas eu adoro essa música!

Mando chamar a mãe-d'água pra me contar as histórias que no tempo de eu menino Rosa vinha me contar.

Ou pra cantar essa música, que eu ouvia, e ouvia, e adorava, e agora, depois de velho, que entendo que não é só uma sonoridade e poesia, adoro ainda mais:

No porto de Amsterdã
Os marinheiros cantam
Sonhos que os assombram
Ao largo de Amsterdã.
No porto de Amsterdã
Os marinheiros dormem
Junto com os estandartes
Ao longo das margens mortas
No porto de Amsterdã
Os marinheiros morrem
Cheios de porre e de dramas
Aos primeiros sinais
Mas no porto de Amsterdã
Os marinheiros nascem
Naquele calor espesso
De apatia oceânia

No porto de Amsterdã
Os marinheiros comem
Nas toalhas tão brancas
Onde o peixe escorre
E eles mostram os dentes
Pra morder a fortuna
Pra esconder a Lua
Pra roer os cordames
E o fedor de morua
Chega em meio às fritas
Que os seus dedos convidam
A chegarem mais
Depois se levantam à rir
Quase como um trovão
Fechando a Braguilha
E arrotando então

No porto de Amsterdã
Os marinheiros dançam
Esfregando a pança
Na pança das damas
E eles giram, e dançam
Como astros escarrados
Ao som arregaçado
De um acordeão ranço
E eles torcem a nuca
Pra se ouvirem rir
Até que, de repente
O acordeão chega ao fim
Então de jeito sério
Então de olhar firme
Eles trazem suas batavas
Pr'onde a luz lhes sorri

No porto de Amsterdã
Os marinheiros bebem
E bebem e re-bebem
e bebem ainda mais
Eles bebem à saúde
Das piranhas de Amsterdã
De Hamburgo ou além
Enfim, bebem às damas
Que lhes dão seus corpos firmes
Que lhes entregam suas virtudes
Por uma prata ou um ouro
E quando beberam demais
Se enfiam de nariz no céu
Se assoam nas estrelas
E mijam como eu choro
Nas mulheres infiéis
No porto de Amsterdã
Dans le port d'Amsterdam.[foot]Tradução livre da música "Amsterdam", sucesso de Jacques Brel na década de 1960[/foot]

Mandelbrot discostas!!!

Ou melhor, nas costas:

Nunca pensei em fazer uma tatuagem, mas essa aí mata a pau! (mas a mulerzinha é meio esquisitinha, ombro demais ou quadril de menos, não consegui descobrir ainda)...

link (thanks ricbit)

Gaveteiro fractal (ou quase)

Foto por: Takeshi Miyakawa Design

Mais uma vez graças ao Boing Boing, uma peça de Design seguindo o estilo fractal: Este gaveteiro projetado pelo estúdio Takeshi Miyakawa Design, de Nova Iorque. Fractal 23, nome dessa peça, é um dos muitos designs com inspirações geométricas desse estúdio.

link (via Boing Boing)

Quando os sapos uivam, a internet re-passa...

Lá pros idos de 1900 e antigamente, quando papel ainda era meio de comunicação de massas e as pessoas usavam fita cassete pelo correio pra mandar músicas pros amigos distantes, meu irmão se interessou por literatura. Poesia em especial. E seguindo os estranhos costumes daquela época medieval, usou de um mecanismo de divulgação bastante estranho: O Fanzine.

Pra quem não viveu na era das trevas, quando google era o barulho que a coca-cola fazia ao sair do "casco" de vidro com tampinha que nem rosca tinha, um Fanzine é um pedaço de papel onde pessoas escreviam suas idéias, desenhos, obras, críticas ou qualquer manifestação que hoje cai no domínio da DMCA, e distribuíam entre os amigos, nas escolas e faculdades ou mesmo no centro da cidade. Usavam-se tecnologias estranhas como "mimeógrafo" ou "máquina de xerox", que assustariam qualquer um hoje em dia, mas que eram demandadas pela religião e tecnologia da época como purificadoras das cópias impressas de forma barata e prática.

Claro que religiões, assim como ciência e tecnologia, mudam um dia! E o Fanzine do Sapão evoluiu! De papel virou bits, de bits virou HTML, HTTP, e por fim virou Blog!

Então, depois de um milênio de evoluções, tenho o prazer de (re)apresentar o Fanzine que o Sapão lançava nos idos do milênio passado:

UIVO

Que como o Sapão mesmo descreve:

O Uivo foi um fanzine (em papel e depois na web) dedicado à publicação de textos literários de autores pouco (ou nada) conhecidos. Agora é um blog...

link (thanks, e re-thanks sapão)