Livros da semana

Bom terminei 3 livros essa semana, um eBook e 2 de quadrinhos.

Dead Until Dark

O primeiro livro da série Southern Vampire Mysteries da Charlaine Harris, que deu origem a série de TV True Blood. No começo era uma forma de experimentar ler eBooks no celular (android, rodando o software do kindle). Mas o livro é fácil e empolgante. A narrativa em primeira pessoa dá uma visão mais "pessoal" da história do que o seriado. É mais previsível que na TV, mas tem uma riqueza de detalhes que só um bom livro pode dar. Recomendo muito pra quem gosta de vampiros ou da própria série True Blood. A linguagem é típica de best-seller, e a leitura flui bastante. Bom pra uma tarde de diversão.

MSP: Maurício de Souza por 50 artistas

Ganhei este livro da minha irmã. São histórias curtas ou as vezes apenas um simples charge, escritas por diversos autores em homenagem aos 50 anos de carreira do Maurício de Souza. Confesso que não sou muito fã dele mesmo não, mas sei o que ele representa pro quadrinho nacional. As histórias giram muito em torno dos mesmos tempos, muitas falando diretamente do aniversário de carreira do Maurício. O astronauta também apareceu super-representado, não sei se pela característica futurista do personagem ele pareceu mais fácil de trabalhar pros autores de Sci-Fi, ou se foi pela flexibilidade do personagem... Enfim, exageraram 😀 A maioria é mesmo bobinha, mas algumas são fenomenais. Logo de cara o Laerte abre com a mesma genialidade de sempre! O fechamento, pelo Vitor Cafaggi, também não fica por menos. Lá dentro, as charges simples do Angeli, do Gustavo Duarte e Dalcio machado dão um show a parte. Enfim, vale muito a pena, com algumas estórias fenomenais, apesar de várias meio chochas no meio!

O chinês americano

Esse também foi presente, dessa vez da Lígia e do Pedro, meus vizinhos e companheiros de cachorro. A Lígia teve de ler pro mestrado uma pancada de quadrinhos auto-biográficos, e esse foi um dos poucos que ela deixou de fora. Se arrependeu depois! Eu me arrependeria também de não lê-lo. Pra mim foi o grande motivo desse post: é simplesmente fantástico. O Gene Luen Yang tem arte é simples, num estilo que junta Genndy Tartakovsky e Laerte com um quê de realismo e que dá vontade de ler mais a cada quadrinho. O roteiro mistura a velha lenda chinesa do Rei Macaco com a adolescência conturbada de um filho de imigrantes, sobrevivendo em um mundo que faz questão de rejeitá-lo! Tudo isso com uma cadência e fluidez que prendem o leitor. Difícil é não ler de uma sentada só. Sem a menor dúvida é a melhor história em quadrinhos que já li esse ano.

Leave a Reply