Quadrinhos da semana

Compre no Submarino

Compre no Submarino

Sangre de Barrio

[DUCARALHO]

Sangre de Barrio (Vida Louca, em pt_BR), do Jaime Martín.  Eu já tinha visto a primeiro capítulo em algum lugar, não sei se numa Animal antiga, numa edição do El Víbora que tenha passado pelas minhas mãos ou se já tinha comprado nos idos de antigamente, mas como folheei e vi que a história continuava muito além do que eu conhecia, resolvi comprar.

Pra quem foi punk de perfumaria, que nem eu, é ver o outro lado dos anos 80, numa barcelona onde o punk fazia sentido. Onde garotos de periferia viram marginais pra fugir da vida medíocre que sempre vão ter, do pai alcoólatra que abandona a família, vivendo em cortiços junto com traficantes e prostitutas. O traço é simples, em preto e branco, tipicamente underground, e vem acompanhado de uma excelente trilha sonora (com as letras das música acompanhando cada quadrinho em que Vicen liga o rádio ou usa seu walman). Composta principalmente do Punk e do underground espanhol (e barcelonense), as musicas encaixam e acompanham perfeitamente os quadrinhos e a narrativa. Dá uma vontade de procurar e reler ouvindo a as músicas da trilha (não sei se ia dar certo, já que é tudo em espanhol e eu não ia entender nem metade, mas que dá vontade, dá).

Tudo isso mostra a trajetória de Vicen antes, durante e depois do reformatório[foot]Na verdade a história pós reformatório é de outro Graphic Novel, Sangre de Barrio III: Nunca Nada, mas nessa edição da Conrad foi incluído junto.[/foot]. A insatisfação com a vida medíocre, a exploração e subserviência, que ele compartilha com Cepá, o líder da gangue, marcam toda sua trajetória, pessimista e trágica, até o final do livro. Pra quem não conhece, vale a pena conhecer. MUITO.

Compre no Submarino

Compre no Submarino

Palestina: Na faixa de Gaza

[MUITO BOM]

Palestina: Na faixa de Gaza é o segundo livro da séria Palestina, do Joe Sacco. O Joe Sacco é um reporter de guerra no estilo antigo: Entra nas zonas ocupadas em busca da história. Num estilo moderno também, já que procura sempre a versão do mais fraco, do ocupado, do perdedor. Além disso já ser uma raridade, ele não coloca isso em livros, quer dizer, em livros sim, mas não em palavras. Joe Sacco é "quadrinista de guerra"[foot]eu que inventei esse termo, lembrem-se disso quando todo mundo estiver usando.[/foot].

Eu já tinha lido dele trechos do Sarajevo. O cara é bom. O desenho é mais caricato, mais arredondado que o underground do Jaime Martín, e o próprio Joe Sacco na história é uma caricatura de si mesmo. Baixo, narigudo com cara de tonto e oclinhos redondos, cagão até a alma[foot]ou não, já que eu não teria coragem de fazer nem metade do que ele faz. Ele tem colhões só de poder amarelar enquanto escuta um tiroteio em um campo de refugiados.[/foot], meio mala também. É esse cara que entrevista dezenas de refugiados, tentando perceber como vivem, e o que sentem. Os desenhos são chocantes, mesmo suavizados pelo traço típico de de cartunista americano, mais pelo que representam do que pelo que realmente são. O cara é FODA.

Então se eu puxo tanto o saco dele, porque o Sangre de Barrio é [DUCARALHO] e este é só [MUITO BOM]? Bem, por mais que ele dinamize as coisas, tem toda a lentidão da narrativa, são entrevistas repetitivas com gente muito igual no seu sofrimento, sua raiva, sua frustração. Tem a coisa do traço pouco chocante, da personalidade meio "pastel" dele. Não, nem é nada disso. Sangre de Barrio é [DUCARALHO] porque mexe comigo, mexe com uma pessoa que eu já fui, que eu já quis ser. Mexe com o que eu já vivi, com o que eu já senti, com o que eu já vi. Porra, eu morei numa cidade de operários imigrantes na europa, eu sei o que é ser um moleque numa escola pública que não te leva a lugar nenhum. Eu sei o que é ter o relógio roubado só pra pegar ele de volta na segunda feira com um colega de classe e a desculpa de que "meu irmão não sabia que era seu, e pediu pra devolver". Eu sinto cheiro, sinto vida, sinto Sangre de Barrio correndo dentro de mim de novo. Palestina é [MUITO BOM], mas é só coisas que eu vejo de longe, no jornal...

Leave a Reply